Ode À Bossa Nova

adelia_cml_fl.jpg

Por Manuela Rahal

Nem se eu quisesse, conseguiria falar de outra coisa. Coisa Mais Linda me pegou de jeito. Redundante falar da fotografia, direção, enredo, personagens, luz e assim por diante. Uma das coisas mais lindas que vi ultimamente.

Tão dura quanto linda, nos faz visitar um lugar próximo e ao mesmo tempo surreal. O machismo, o racismo e o desrespeito expostos de uma forma verdadeira e corriqueira. E pensar que ainda somos muito assim, mesmo com grande parcela querendo e se esforçando para não ser.

Falar das atrizes também é redundante, que casting. Maria Casadevall mais do que confortável no protagonismo, Fernanda Vaconcellos de fato se transportou para a época e mostrou um lado novo, Mel Lisboa sempre na medida, sendo a mesma revolucionária porém completamente diferente.

Mas amigx, eu vim aqui para falar dela, fiz essa intro para tentar fazer o rodeio que ela não sabe e nunca quis fazer. Patrícia Dejesus, senhoras e senhores, mulher direta e reta, aquela que roubou a cena, que - enfim - teve o espaço merecido para mostrar que baita atriz que é.

Ela é tão boa que eu, ingênua, me sentia amiga da personagem, pois em frações de segundo me confundia achando que era a mesma pessoa que eu conheço. Daí percebi que ela consegue ser a personagem e imprimir a sua personalidade real simultaneamente.

Quero reformular o início: Adélia me pegou. Muito mais do que a série toda. Isso porque não é meu lugar de identificação, eu sou a "branquela mimada". Agora, imagina para as mulheres negras, de pelo menos 3 gerações, que se observaram e vão se observar nesse contexto.

A Patricia da vida real é tão batalhadora quanto Adélia, nunca a vi fazendo nada abaixo de 10, daquelas mulheres que se propõe a fazer algo e revoluciona. Quis tocar discos, foi uma das precursoras, e se tornou uma lenda ainda que muito jovem. Quis desfilar e rodou o mundo das passarelas. Qui apresentar e mostrou esse sorriso carismático em rede nacional. Quis atuar e já foi diversas mulheres. Tudo, sempre imprimindo sua personalidade.

Pathy, minha amiga, não me surpreendeu te ver interpretando daquele jeito, sou sua fã. Me encheu de orgulho. Me enche de alegria ver o futuro que te aguarda. <3

Manuela Rahal