Nove Mulheres Que Você Precisa Conhecer

A Wired, revista co-fundada por uma mulher, fez uma linda lista de mulheres que tiveram êxito em tecnologia em inovação ao longo dos últimos anos. Vale a pena conferir.

001.jpg

1 - MARGARET HAMILTON contrariando as estatísticas (até as atuais), conseguiu um emprego como programadora no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), na década de 1960, quando tinha apenas 24 anos. Até então, o plano era que ela apoiasse o marido durante seus 3 anos de Harvard, mas seu destino era realmente mudar o mundo. O programa espacial Apollo começou, e Hamilton lideraria a equipe do MIT responsável pelo software de voo a bordo nos computadores, e ela fez tudo isso com apenas um diploma de graduação, ao mesmo tempo que que criava umbebê. Seu trabalho na época não era apenas inovador, mas radical, pois vinha de uma mulher. Sem ela, a era da computação moderna não seria o que é hoje.

WI120118_AI_FeiFei_01.jpg

2 - FEI-FEI LI’S é parte de um minúsculo grupo de cientistas - um grupo talvez pequeno o suficiente para caber em uma mesa de cozinha - responsáveis por avanços notáveis recentes da IA. Ela é a pesquisadora que desenvolvei a ferramenta ImageNet, que permitiu que o aprendizado profundo se tornasse importante e uma realidade. Sua criação está, atualmente, na raiz dos recentes avanços em carros autônomos, reconhecimento facial, câmeras de telefone que podem identificar objetos (e informar se eles estão à venda).

Jewel-Burks-4.jpg

3 - JEWEL BURKS liderou uma equipe, que criou um aplicativo que permite apontar a câmera em seu smartphone em qualquer hardware - porcas, parafusos, parafusos, etc. - para encontrar um substituto de um enorme catálogo de peças, em tempo real. O fornecimento de peças de reparo não é uma questão tão fascinante, mas têm sido um grande problema para distribuidores industriais, como McMaster-Carr, onde Burks trabalhou como supervisora. Para encontrar o substituto certo, os funcionários precisavam folhear catálogos espessos em busca de uma correspondência, às vezes sem saber o número da peça ou o nome do fornecedor. Vale dizer que ela não tinha experiência com visão computacional, mas aprendeu sobre a tecnologia lendo artigos acadêmicos e assistindo a vídeos.

donnastrickland.jpg

4 - DONNA STRICKLAND é a fisicista que ganhou um prêmio Nobel por inventar um método que, agora permite aos cientistas, produzir pulsos intensos de luz que, por um bilionésimo de um bilionésimo de segundo. Ou seja, contêm mais energia do que toda a rede de eletricidade dos EUA. Essas técnicas de laser transformaram completamente a forma como procedimentos médicos, manufatura e pesquisa em biologia eram realizados. Apenas.

William_F._Friedman_and_Elizebeth_Smith_Friedman_-_National_Cryptologic_Museum_-_DSC07696.jpeg

5 - ELIZABETH SMITH FRIEDMAN foi responsável pelas fundações da quebra de código mais impressionante da Segunda Guerra Mundial, ao lado de seu marido. Ela ajudou a desenvolver a criptografia moderna, metodologia de segurança da informação que sustenta tudo, desde a segurança cibernética até a vigilância digital. Durante a guerra, ela e o marido trabalharam como separadores de código, espionando os nazistas e ajudando as forças aliadas a vencer a guerra.

CohlFurey_FanoPlane_2880x1600-2880x1600.jpg

6 - COHL FUREY tem um trabalho é tão complexo que é difícil de descrever. Furey é uma física matemática obcecada em descobrir as leis matemáticas da natureza. Suas descobertas desafiam o modelo padrão da física de partículas, revelando como octonions - números de oito dimensões com propriedades especiais - poderiam estar no coração e como os átomos se mantêm juntos. O trabalho de Furey se baseia em décadas de pesquisa e parece confirmar as suspeitas amplamente difundidas no campo sobre a relação entre matemática pura e física.

doudna.jpg

7 - JENNIFER DOUDNA é apenas o nome por trás da tecnologia Crispr, que possibilita a edição genética . Seu trabalho inaugurou uma nova era para as ciências biológicas, impulsionando um renovado interesse em terapias gênicas para doenças, aumentando o risco de “bebês projetados”, criando novas maneiras de armazenar informações no DNA e até fazendo noções malucas como ressuscitar o mamute que foi extinto.

susanfowler_18135176957753.jpg

8 - SUSAN FOWLER deixou o setor da tecnologia para sua contribuição mais famosa no mesmo setor. Ela trabalhava como programadora na Uber, mas depois de enfrentar discriminação e assédio sexual - ambas denúncias ignoradas pela empresa. Em 2017, após pedir demissão, Susan publicou um post no blog detalhando sua experiência. Esse post provocou uma conversa nacional sobre como as mulheres são tratadas na indústria de tecnologia, o que gerou um movimento de outras mulheres, que tomaram coragem para denunciar assédios no mundo da tecnologia. A empresa contratou o ex-procurador-geral dos EUA, Eric Holder, para revisar suas políticas e cultura e, logo após as recomendações de Holder serem divulgadas, o CEO da Uber renunciou. Embora muitas empresas de tecnologia, incluindo a Uber, tenham atualizado suas políticas de assédio, as mudanças chegam tarde demais para algumas mulheres. Fowler agora trabalha como escritora no The New York Times.

02102016_ENIAC_programmers_LA.2e16d0ba.fill-735x490.jpg

9 - BETTY HOLBERTON e as mulheres que programaram o primeira máquina de computação. ENIAC foi o primeiro computador do mundo, e foi concebido como uma forma de ajudar os esforços de guerra durante a Segunda Guerra Mundial. Como a maioria dos homens estava lutando no exterior, uma equipe de seis mulheres comandou a ENIAC: Betty Holberton, Kay Mauchley Antonelli, Marlyn Meltzer, Ruth Teitelbaum, Jean Bartik e Frances Spence. Elas continuaram trabalhando nisso enquanto a Guerra Fria se enfurecia, usando seu poder de computação para ajudar a projetar uma ogiva termonuclear. Holberton continuou a desenvolver uma das primeiras linguagens de programação, sem as quais a internet e a computação digital moderna não seriam possíveis. Mas as contribuições dessas seis programadoras não foram reconhecidas por décadas, até que um estudante de Harvard pesquisando mulheres na computação as redescobriu em 1986.

Manuela Rahal