Existem Mil Maneiras De Se Preparar CRISPR

Belmonte_SALK_gallery_CF3A6721_FINAL.jpg

Por Manuela Rahal

Se existe algo no campo da ciência genética/tecnologia que está evoluindo é CRISPR. Já citamos aqui há algum tempo, mas tem tanta coisa acontecendo nesse campo, que precisamos falar sobre isso.

Já é um fato que esse avanço científico pode, possivelmente, ajudar para que o nosso futuro seja mais humano. A dúvida é se nós e nossa ética e senso comum - que jamais serão em comum - nos permitirão trabalhar com todos os caminhos dessa descoberta de forma benéfica.
Mas, antes de chegar lá, um pouco de contexto:
CRISPR = Clustered Regularly Interspaced Short Palindromic Repeats

Há sete anos, um grupo de cientistas - liderados por uma mulher - percebeu que era possível aproveitar do sistema imunológico de certos micróbios para editar genes humanos. Os resultados foram revolucionários. Crispr é rápido, barato e chocantemente simples de operar. Está gradualmente nos dando o poder de alterar não apenas nosso próprio destino genético, mas também o de todo o planeta - erradicar doenças, desenvolver novos cultivos e gado, até mesmo ressuscitar espécies extintas.

Muitas indústrias estão investindo dinheiro pesado em CRISPR - farmacêutica, agricultura, energia, manufatura de materiais. Até o pessoal da canábica quer entrar. As empresas o estão usando para fazer remédios que curam o câncer, plantações que combatem mudanças climática, algas que separam o biocombustível e mosquitos que acabam com ela. Vamos à alguns exemplos:

24406102.jpg

1 - Experimentos com quimera

Em 1992, o Dr. Juan Carlos Izpisua Belmonte, manipulou a sua primeira experiência quimera - combinação heterogênea de espécies. Ele combinou um membro embrionário de camundongo enxertado na asa de um frango embrionário. Mais tarde, em 2012, ele realizou que essa nova tecnologia poderia ajudar a criar novos órgãos humanos a partir de outros animais.

Mas foi em 2017 que eles injetaram células-tronco humanas em 1.500 embriões de porco comuns e implantaram esses embriões em porcas. Em cerca de 20 dias, alguns se transformaram em quimeras de porco e porco. Foi um sucesso modesto. Mas se for trabalhado, podemos chegar ao tão sonhado momento em que criaremos novos órgãos humanos, e isso quer dizer salvar muitas vidas que aguardam na fila de transplantes.

2 - Que tal uma Indústria Pecuária mais humana?

Acho que todos, independentemente de hábitos/ideologias alimentares ficariam felizes com isso.

(*Que fique claro que não estou defendendo essa indústria, mas ela existe, assim como o consumo dos produtos que gera, então achei válido expor os bastidores científicos)

De um lado, parte da indústria que trabalha com gado como alimento prefere machos. Mas quando vamos para o lado dos laticínios, os produtores preferem as fêmeas. A edição genética dos cromossomos, por ser menos custosa - é mais barato destruí-los do que criá-los para a vida adulta. Mas se você pudesse garantir que apenas novilhas e galinhas nascem, por exemplo, a carnificina não seria necessária.

3 - O combate definitivo à pragas

A iniciativa pioneira foi da pesquisadora chinesa Caixia Gao, com plantas de trigo para resistência a uma das piores ameaças: a doença fúngica powdery mildew, que ataca também outras culturas, como arroz.

A edição de genomas permite desenvolver culturas agrícolas resistentes a pragas e corrigir genes defeituosos em animais. As plantas das culturas melhoradas por CRISPR são livres de DNA estranho, tornando-as comparáveis com as desenvolvidas por melhoramento genético.

E vamos ver o que mais vem por aí. Não dá pra saber ainda.



Manuela Rahal